22 de abril de 2021

África do Sul aprova a Ivermectina para tratamento contra a Covid-19 no país

O uso do medicamento será decidido caso a caso, sendo utilizado por motivos de compaixão em um programa de acesso controlado.

Foto: Reprodução

A chefe da Autoridade Reguladora de Produtos de Saúde da África do Sul  Boitumelo Semete-Makokotlela aprovou, nesta última quarta-feira (03), a utilização da Ivermectina no tratamento de combate à Covi-19, e disse que o uso do medicamento será decidido caso a caso, sendo utilizado por motivos de compaixão em um programa de acesso controlado. 

Na África do Sul, usa-se a ivermectina no tratamento de controle de parasitas em animais e humanos, neste último, a droga é aplicada em forma de pomada para doenças como infecções de pele e inflamação. 

Veja mais: Sete pacientes recuperados da Covid-19 retornam a Manaus

Embora a medicação não tenha sido avaliada adequadamente, a Organização Mundial da Saúde (OMS) sugeriu que a droga tenha efeitos encorajadores contra o vírus. Com a ascensão da ivermectina, os órgãos reguladores se atentam ao uso generalizado por meio do mercado irregular que cresceu consideravelmente com a segunda onda de infecções que o país enfrenta. 

O uso controlado do medicamento ajudará o regulador a monitorar a coleta de dados tão importantes para os resultados que esperam. “Nós absolutamente compartilhamos o desespero de todos neste momento”, disse Helen Rees, a presidente do regulador. “Então, a questão sobre ivermectina e automedicação remonta ao que todos na comunidade científica estão dizendo. E isto é, não sabemos se funciona e não sabemos se não funciona. É por isso que precisamos obter dados. ”

No país vizinho Zimbábue, após a aprovação do Ministério da Saúde, médicos estão usando a ivermectina em uma solução com nanoprata – que é usada como algicida – e descobriram que a combinação é “uma virada de jogo”, disse o College of Primary Care Physicians em uma carta ao ministério. 

Leia também: Comissão de Apuração da Prefeitura inspeciona ponto de imunização no Sambódromo em Manaus

Semete-Makokotlela, chefe da Autoridade Reguladora de Produtos de Saúde da África Sul, informou que diretrizes claras sobre a implementação do programa de acesso controlado serão fornecidas nos próximos dias, juntamente com planos para realizar ensaios clínicos em grande escala. 

Ela também disse que o regulador concedeu ao departamento de saúde permissão para distribuir a vacina contra o coronavírus feita pela AstraZeneca Plc e pela Universidade de Oxford, a primeira para inoculações de Covid-19. Ela também está analisando os pedidos dos fabricantes rivais Johnson & Johnson e Pfizer Inc., mas ainda não recebeu um pedido da Moderna Inc.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: